Imediatamente após o assassinato de George Floyd, todos experimentamos o que eu descreveria como a primeira onda de empatia, uma série de respostas espontâneas, frequentemente emocionais, por parte de líderes de negócios de todo o país em torno da necessidade de justiça social. Fui inspirada pela profundeza de suas observações, quase mais filosóficas do que corporativas. Uma em particular me tocou – um alerta de Tim Cook, da Apple, de que devemos todos resistir à tentação de voltar à “normalidade” às custas de ignorar a justiça.

Nos dias após a morte de Floyd, me debati sobre como devia reagir. Sou por natureza uma pessoa otimista. Como eu iria equilibrar minha crença na bondade da humanidade com esta demonstração de maldade e preconceito? Depois fui percebendo. A cura começa com a compreensão. Tive que decidir aprender mais – me conectando com amigos e colegas Negros, para ouvir suas perspectivas e para ver o mundo através de seus olhos.

Isto é o que eu posso chamar de segunda onda de empatia – um momento de ir além do choque inicial e começar as conversas positivas. E à medida que venho trabalhando nisto, observei algumas coisas ao longo do caminho. De forma alguma diria que são abrangentes, mas podem ser úteis para aqueles tropeçando por esta jornada, assim como eu.

Percebi que estas conversas funcionam melhor quando você espera o inesperado. Não existe script para isto. Você precisa se deixar levar pelo fluxo. Estas comunicações realmente fazem sentido quando são vistas como autênticas e ser autêntico significa apenas ser você mesmo. Evite dizer coisas como: “Entendo como você se sente”. A ideia destas conversas é justamente desenvolver este entendimento. Ninguém vai se ofender quando sabe que você está sendo honesto e atencioso, não importa o quanto isto te faça parecer estranho.

Uma coisa que realmente me surpreendeu foi como estas conversas podem ser emocionantes. Perguntamos às pessoas como elas estão o tempo todo, principalmente como uma forma de saudação. Nem sempre buscamos respostas genuínas, como sentimento, e algumas vezes elas podem ser impressionantes. As pessoas estão machucadas. As pessoas estão com medo. Mais que tudo, as pessoas precisam apenas de contato humano, especialmente diante da atual pandemia. Para se beneficiar destas conversas, percebi que também precisava responder com emoção, escutando e me conectando ao longo do caminho. Às vezes, você quer dar um abraço, quase tanto por você quanto por elas.

Estas conversas também se tratam de ganhar a confiança o mais rápido possível. Eu digo a mesma coisa a todos. Eu não posso resolver tudo, mas eu quero tornar as coisas melhores, então quero que as pessoas entrem em contato comigo. Como uma líder sênior, isto pode ser um pedido assustador para alguém que possa estar em um nível mais baixo na organização. Mas o poder da permissão pode ser uma das maiores ferramentas em nosso arsenal como líderes. As pessoas precisam saber que nos preocupamos o suficiente para colocar suas necessidades em primeiro lugar.

Nenhuma região no mundo tem um monopólio sobre o preconceito; a injustiça social vem sendo uma pandemia global há muito tempo, disseminando a desigualdade política, religiosa e humana em todos os lugares. Como líder da ITW Global Leaders’ Forum, que reune executivos das maiores operadoras de atacado de telecom do mundo, transformei em meu compromisso pessoal encorajar a diversidade e a inclusão em nossa indústria. Nosso relatório recente sobre diversidade de gênero é apenas um ponto de partida para tratar destas outras questões mais amplamente. Podemos fazer melhor do que isto.

Muitas de minhas conversas recentes têm destacado a força e o estoicismo daqueles que enfrentam os desafios e frustrações do preconceito todos os dias. Eles acreditam que a resposta final está no diálogo e na conscientização, não na discórdia social e cívica. Em uma de minhas músicas favoritas, “Fragile”, Sting usa o assassinato de um engenheiro americano nas mãos dos Contras na Nicarágua para reforçar a fragilidade da humanidade e a futilidade da violência:

“Talvez este ato final tenha acontecido
Para fixar uma reflexão sobre a existência
Que nada se ganha com a violência e nada jamais se poderia”.
Vamos continuar conversando. Prometo nunca parar de ouvir.

Este blog foi publicado anteriormente no LinkedIn em 21 de junho, 2020.
Este blog é oferecido exclusivamente para propósitos de informação e pode exigir pesquisa e comprovação adicionais pelo usuário final. Adicionalmente, a informação é fornecida “como está”, sem nenhuma garantia ou condição de qualquer tipo, seja expressa ou implícita. A utilização desta informação é por conta e risco do usuário final. A CenturyLink não garante que a informação atenderá aos requisitos do usuário final ou que a implementação ou utilização desta informação terá o resultado desejado pelo usuário final.

Jon Paul "JP" McLeary

Autor:
Laurinda Pang

Laurinda Pang é Presidente Internacional e de Gestão de Contas Globais da CenturyLink.  Ela é responsável pelos principais 200 clientes corporativos globais da empresa e pelos resultados de negócios e operacionais na Ásia Pacífico, América Latina, Europa, Oriente Médio e África.  Anteriormente, Laurinda atuou como Presidente Regional da América do Norte e Ásia Pacífico para a Level 3 Communications, onde era responsável pelos resultados gerais de negócios da região.  Durante sua carreira, ela foi imprescindível para impulsionar iniciativas de negócios significativas e desenvolver estratégias corporativas.

Disponible en Español (Espanhol)