• A velocidade de conexão é importante, assim como outros fatores, como disponibilidade e segurança, que devem ser considerados ao se tomar a decisão de escolher o Provedor de Serviços de Internet (ISP) adequado.
  • A Lumen oferece a seus clientes um sistema autônomo com maior interconexão global.

A escolha de um Provedor de Serviços de Internet (ISP) adequado pode ser uma tarefa complexa devido à ampla oferta existente no mercado. Outras variáveis como disponibilidade, velocidade, segurança, orçamento e garantia de uma largura de banda 100% dedicada, também entram em consideração.  Estes fatores são determinantes para se tomar a decisão correta, uma vez que podem representar a diferença entre as expectativas do usuário e a qualidade e experiência do serviço recebido. 

Para Agustín Speziale, Gerente de Gestão de Produto da Lumen LATAM, outro fator importante que não é levado em conta é o acompanhamento que o fornecedor esteja disposto a fornecer durante todo o caminho de transformação e adaptação aos novos processos e tecnologias; muitas vezes, os usuários ficam sós durante o trajeto e não recebem o respaldo de sua empresa provedora quando mais precisam. 

Em conversas, o especialista fornece algumas pautas a serem consideradas no momento de escolher um provedor de ISP.  

P: Quais são os primeiros passos que uma empresa deve dar para escolher um provedor de Internet? 

R: Escolher um provedor de Internet dependerá principalmente do uso que cada empresa fará dele.  Após a chegada da nuvem, o uso da Internet nas empresas passou a ter importância vital, pois as empresas exigiam mais e melhores serviços de conectividade.

Outro aspecto a ser considerado é a indústria à qual sua empresa pertence. Por exemplo, se é uma empresa dedicada a fornecer serviços de gaming, deve considerar a entrega de conteúdo a seus usuários finais.  Caso seja uma empresa dedicada a interconectar suas próprias sedes distribuídas em um território, deve considerar a capilaridade ou presença que seu provedor pode oferecer em regiões distintas do país onde quiser contar com interconexão. 

P: Qual é o fator mais importante para quem toma a decisão: a velocidade, a disponibilidade ou a confiabilidade? E, em termos de largura de banda e velocidade, o que o cliente precisa avaliar? 

R: Considero que o fator mais importante é a disponibilidade, que representa o instante em que alguém quer utilizar o serviço da rede, podendo ocorrer a qualquer momento.  Disponibilidade é estar pronto sempre que for necessário.

Em relação à velocidade, hoje em dia acessar uma largura de banda maior é factível e mais barato do que nos anos anteriores.

Outro aspecto tão importante quanto a velocidade e que não é levado em consideração, é a confiabilidade, que permite a execução do serviço em um determinado período, sem atrasos e no momento em que o usuário precisar.    

Além disto, deve oferecer um esquema de segurança resiliente, que permita a adoção de algum caminho alternativo que possa ser mantido ao longo do tempo e permita resolver qualquer problema ou falha que surgir.  Desta forma, para concluir este item, podemos dizer que uma rede deve ser confiável, veloz e segura. 

P: Qual é o objetivo da interconexão de redes? 

R: A Internet é um conjunto de redes conectadas entre si mesmas.  Algumas estão globalmente conectadas e realizam o trânsito através da rede.  Há outras que estão na chamada “periferia da Internet”, o que permite que conectem-se a um, dois ou três provedores que lhes oferecem o serviço globalmente. Entretanto, geralmente estes dedicam a maioria de seus serviços a seus usuários finais, para que todo o conteúdo solicitado seja entregue e recebido, sem falhas, imediatamente.  As interconexões estão cada vez mais próximas do usuário e tornam possível esta sensação de velocidade.  

P: Quais são as novidades em termos de segurança? 

R: O protocolo mais usado entre os provedores de Internet é o protocolo de borda, ou BGP, que se baseia na confiança para interconectar diferentes provedores sem ser violado. Para oferecer segurança nestas interconexões que utilizam BGP, desde 2021 a Lumen vem implementando globalmente RPKI, um mecanismo que permite estabelecer o máximo grau de confiança em termos de tráfego fluindo entre as redes de provedores distintos. 

P: Quais são as vantagens da Lumen como ISP? 

R: Como ISP, a Lumen é considerada atualmente um dos sistemas autônomos com maior interconexão em nível global. Na América Latina, a Lumen possui sua própria fibra, que atravessa toda a América do Sul em forma de anel, com grande capacidade de chegar aos Estados Unidos. Além disto, através do Service Level Agreement, medimos a qualidade do serviço oferecido. 

Qual é a situação da Internet na América Latina? 

R: A América Latina em geral ainda tem muitos desafios e oportunidades em termos de acesso à Internet, por exemplo, em termos de número de pessoas com acesso ao serviço, pois ainda existem muitas áreas ou cidades que não possuem diversidade de oferta ou mesmo infraestrutura de rede de telecomunicações; em termos de qualidade e velocidade de acesso. 

P: Sabemos que a Lumen oferece o serviço de redes redundantes com depuração de tráfego malicioso. De que consiste esta solução? 

R: A solução que oferecemos às corporações ou empresas que estiverem recebendo ataques de maneira distribuída, é a realização de uma depuração de tráfico malicioso, através dos centros de depuração (scrubbing centers), que têm presença na América Latina.  Não é necessário enviar o tráfego aos Estados Unidos para depurá-lo porque isto é feito localmente por nós. 

P: Além da fibra óptica, a Lumen oferece vários meios de acesso para fornecer Internet. Quais são esses outros meios de conexão que a LUMEN oferece? 

R: No caso de conexões remotas, a Lumen já trabalhou com escolas que não estão em zonas urbanas e ofereceu conexões satelitais devido à geografia do lugar.  Estes tipos de conexões geram um delay no processo de 512 milisegundos adicionais, que afetarão a qualidade.  A conexão satelital não é a mais buscada, entretanto, ajuda muito nas zonas mais remotas.  

P: Pode nos dar uma última recomendação? 

R: Hoje em dia, novos endereços IP não são atribuídos, pelo menos por parte dos peers, e toda a implementação está sendo feita no IPv6, o que exige certo nível de acompanhamento. 

É difícil mudar quando se está acostumado com determinada tecnologia.  No entanto, a tecnologia está sempre mudando.  Portanto, consideramos muito importante utilizar nosso conhecimento para orientar nossos clientes na transformação de suas organizações, o que permitirá que mantenham a continuidade do negócio e avancem em seus objetivos corporativos.

Michael Lawson

Autor:
Agustín Speziale
Gerente de Gestão de Produto
Lumen LATAM

Disponible en Español (Espanhol)